Informações sobre a Citação

J. Physiol. 579:553-564 Available: www.gssiweb.org

ADP intravascular e nucleotidases solúveis contribuem para estado protombótico agudo durante exercício vigoroso em humanos.

Yegutkin GG, Samburski SS, Mortensen SP, Jalkanen S, González-Alonso J

RESUMO
ATP e ADP extracelulares disparam eventos sinalizadores vasodilatadores e protrombóticos na vasculatura. Testamos a hipótese de que o turnover de nucleotídeos é ativado na corrente sanguínea de humanos em exercício, contribuindo assim para o aumento da reatividade plaquetária e da hemostase. Foram coletadas amostras de sangue arterial, venoso, e do átrio direito de atletas treinados em endurance durante repouso, durante exercício submáximo e máximo em bicicleta ergométrica, e logo após recuperação. O ensaio de bioluminescência específico para ATP, juntamente com a cromatografia líquido de alta eficiência, revelou que a concentração plasmática de ATP e ADP aumentou até 2,5 vezes durante exercício máximo. Citometrias de fluxo subsequentes demonstraram que o plasma dos sujeitos em exercício causou suprarregulação significativa da expressão de superfície de P-selectina em plaquetas humanas, e que esses efeitos protrombóticos foram reduzidos após scavenging de nucleotídeos plasmáticos com apirase exógena. A seguir, utilizando cromatografia em camada delgada com nucleotídeos marcados - gama-(32)P]ATP e (3)H/(14)C, demonstramos que duas enzimas solúveis inativadoras de nucleotídeos, a nucleotídeo pirofosfatase/fosfodiesterase e a nucleosídeo trifosfato difosfohidrolase, circulam de forma constitutiva no fluxo sanguíneo humano. É impressionante observar que a atividade da nucleotídeo pirofosfatase e da hidrolase séricas aumentou durante exercício máximo em 20-25 e 80-100%, respectivamente, para diminuir após 30 minutos de recuperação. Da mesma forma, as nucleotidases solúveis sofreram suprarregulação transitória no sangue venoso de sujeitos sedentários durante exercício exaustivo. O soro humano contém também 5'-nucleotidase, adenilato quinase, e nucleosideo difosfato quinase (NDP); no entanto, essas atividades não mudam durante exercício. Em conclusão, o ADP intravascular aumenta significativamente a atividade plaquetária durante exercícios vigorosos, e essas respostas protrombóticas são contrabalanceadas pela liberação concomitante de enzimas solúveis inativadoras de nucleotídeos. Esses achados oferecem um novo insight sobre os mecanismos subjacentes ao risco aumentado de formação de trombos oclusivos durante o exercício.